Maciel Salú estreia espetáculo inédito em Brasília

Foto: Alcione Ferreira

Até o final de 2017, Circulação Nacional do artista ainda percorrerá Curitiba|PR, São Paulo|SP, João Pessoa|PB, Natal|RN, Salvador|BA, Olinda|PE, Tracunhaém|PE e Recife|PE

O cantor, compositor e rabequeiro Maciel Salú está com tudo pronto para começar a sua turnê nacional. A estreia seu novo show será na Festa de Abrição de Seu Estrelo e o Fuá do Terreiro, no Centro Tradicional de Invenção Cultural, em Brasília, no dia 29 de abril (sábado), a partir das 19h. Até o final de 2017, o artista levará a nove cidades do Brasil um espetáculo inédito, formado por músicas do mais recente “Baile de Rabeca”, canções dos seus três primeiros discos e novas composições que farão parte do seu próximo álbum. Junto com sua rabeca e sua banda, o músico ainda vai circular por Curitiba|PR, São Paulo|SP, João Pessoa|PB, Natal|RN, Salvador|BA, Olinda|PE, Tracunhaém|PE e Recife|PE. Além das apresentações, a circulação ainda vai contar com a vivência “A arte transforma – Maciel Salú, sua rabeca e trajetória dos terreiros para o mundo”, onde o cantor vai falar sobre a sua história como Mestre e brincante dos folguedos da cultura popular e a transição como artista de palco. Em Brasília, a atividade será realizada no dia 28 de abril (sexta), às 19h, também no Centro Tradicional de Invenção Cultural.

Na turnê, Maciel Salú celebra a rabeca. O instrumento, que é conhecido pela sua sonoridade peculiar, seu som cru e barroco de instrumento popular, ganha, nas mãos do artista, uma roupagem contemporânea, seja pelo uso dos efeitos eletrônicos de pedais, seja por se fundir a ritmos inusitados que fazem parte do repertório pessoal e cosmopolita do artista. O músico sobe aos palcos com a ânsia de apresentar ao Brasil um espetáculo repleto de criatividade, sentimento e beleza. Desta forma, o cantor espera não apenas encantar a plateia, mas cumprir sua missão como fiel difusor da arte, legado e garra da música autoral pernambucana.

Nestas apresentações, o público vai dançar ao som de um repertório formado por músicas autorais compostas ao longo dos 20 anos de carreira de Maciel Salú. O show é baseado em sua discografia solo, formada pelos discos Baile de Rabeca (2016), Mundo (2010), Na luz do carbureto (2007) e A pisada é assim (2003). Além disso, o artista ainda incluiu no setlist algumas composições inéditas, que estarão no próximo álbum do artista, ainda sem título, que começará a ser gravado no segundo semestre de 2017, a exemplo de “Maracatu sem lei” e “Mãe do Mar”.

Para apresentar as suas experimentações sonoras, o cantor leva consigo uma banda completa, em todos os sentidos, formada por músicos dos mais diversificados perfis. Nos palcos das nove cidades, o artista será acompanhado por Emerson Santana | bateria; Joana Melo | percussão e backing vocal; José Mário | percussão e backing vocal; Rogê Victor | baixo e backing vocal; e Sammy Barros | guitarra e backing vocal. A direção artística do show é assinada pelo próprio Maciel Salú.

Incentivo – A turnê de Maciel Salú está dividida em duas partes: Circulação Nacional e Circulação Nordeste. Ambas são realizadas pelo próprio artistas em parceria com a sua produtora Grão – Comunicação e Cultura. As duas Circulações contam com incentivo do Fundo Pernambucano de Incentivo à Cultura (Funcultura), Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe), Secretaria de Cultura e Governo do Estado de Pernambuco.

Social – Como forma de retribuição à vida, neste projeto, Maciel Salú realizará um show de contrapartida social no Recife. Os ingressos vendidos para esta apresentação serão revertidos integralmente para apoiar o Centro de Reabilitação e Valorização da Criança (CERVAC). A instituição do bairro recifense do Morro da Conceição, desde 1988, cria ações de desenvolvimento integral de pessoas com deficiências, oferecendo serviços de reabilitação e prevenção, onde as famílias e a comunidade também são estimuladas a participar do processo de reabilitação e inclusão social. O CERVAC atualmente também é referência no atendimento e reabilitação de crianças com microcefalia causada pela Síndrome Congênita do Zika Vírus.

Vivência – Nas nove cidades que receberão as Circulação Nacional e Circulação Nordeste, como forma de ampliar a corrente do bem, o artista realizará a vivência “A arte transforma – Maciel Salú, sua rabeca e trajetória dos terreiros para o mundo”. A ação será gratuita e voltada prioritariamente aos participantes de grupos culturais ou organizações não-governamentais que desenvolvam projetos sociais ou culturais.

Os temas abordados serão sempre sobre o olhar e a vivência de Maciel Salú com a rabeca, com a cultura popular pernambucana e a suas diversas experiências enquanto artista pelo mundo. Em cada uma das nove cidades, o músico e a produção vão analisar e selecionar quais assuntos, como Maracatu Rural e Cavalo Marinho, serão abordados na atividade.

Serviço:
Maciel Salú – Circulação Nacional
Festa de Abrição de Seu Estrelo e o Fuá do Terreiro
Quando: 29 de abril (sábado), a partir das 19h
Local: Centro Tradicional de Invenção Cultural, 813 Sul – Brasíla
Entrada: gratuita

Vivência “A arte transforma – Maciel Salú, sua rabeca e trajetória dos terreiros para o mundo”
Quando: 28 de abril (sexta), às 19h
Local: Centro Tradicional de Invenção Cultural, 813 Sul – Brasíla
Entrada: gratuita

Informações: www.macielsalu.com.br
Redes sociais: fb.com/macielsalu.pe | instagram.com/macielsalu
Contato: grao.pe@gmail.com

Ficha técnica:

Maciel Salú – Circulação Nacional | Maciel Salú – Circulação Nordeste

Gestão de projeto
Maciel Salú | diretor artístico
Rute Pajeú | gestora

Banda
Maciel Salú | voz e rabeca
Emerson Santana | bateria
Joana Melo | percussão e backing vocal
José Mário | percussão e backing vocal
Rogê Victor | baixo e backing vocal
Sammy Barros | guitarra e backing vocal

Equipe técnica
Carlos Medeiros | roadie
Denildo Araújo | operador de áudio
Rute Pajeú – Grão Comunicação e Cultura| produção executiva

Comunicação
Dulce Reis – Feed Comunicação | assessora de comunicação
Walton Ribeiro – Feed Comunicação | designer

Sobre Maciel Salú:

Pernambucano, nascido em Olinda, Maciel Salú é cantor, compositor, rabequeiro, mestre e brincante de diversos folguedos populares. Herdeiro da umas das famílias mais expressivas na cultura popular – a Família Salustiano, convive desde a infância em meio a Maracatus, Cavalos Marinhos, Cocos e Cirandas.

E foi com toda essa musicalidade, carregada dos símbolos, sons e sotaques do Brasil, que Maciel Salú foi convidado a representar junto com a Orchestra Santa Massa a sonoridade da cultura brasileira na Cerimônia de Encerramento das Olimpíadas Rio 2016. Acompanhado de sua rabeca, em pleno Estádio do Maracanã, o músico e a Orchestra Santa Massa se apresentaram para um público presente estimado em 70 mil pessoas e com expectativa de mais de 3 bilhões de telespectadores em todo mundo. O repertório incluiu uma canção de autoria de Maciel Salú composta especialmente para ocasião.

Foi graças à desenvoltura com a Rabeca que na década de 90, no auge do manguebeat, Maciel Salú foi convidado a integrar a banda Chão e Chinelo. Foi nessa época que ele começou a cantar, compor e experimentar a fusão entre o popular e o contemporâneo. Essas experimentações ganharam ainda mais força a partir de 2002, quando reuniu seu vasto repertório popular e adentrou no mundo da música eletrônica junto ao DJ Dolores, Fábio Trummer, Jam da Silva e Isaar, formando a banda DJ Dolores & Orchestra Santa Massa. Com o grupo ganhou o reconhecimento da crítica através de um BBC Awards, um Prêmio Tim (melhor álbum) e o Prêmio Multicultural Estadão.

Em 2003 o músico iniciou carreira solo. Foi quando passou a apresentar ao público sua singularidade. Marcadas por arranjos cheios de criatividade, as composições de Maciel Salú acompanham seu amadurecimento. A cada nova obra apresenta um verdadeiro conjunto harmônico que leva ao palco toda a plasticidade e timbre de um dos nomes mais presentes no cancioneiro pernambucano da atualidade.

Com o seu trabalho autoral participou do Europalia.Brasil (2010), Projeto Pixinguinha (2007), Ano do Brasil na França (2005) e fez importantes parcerias com músicos e artistas, dentre eles Chico César, Jorge Du Peixe (Nação Zumbi), Siba, Jam da Silva, Isaar, Carmélia Alves e Luiz Paixão.

Atualmente, além do trabalho solo e a Orchestra Santa Massa, o artista ainda integra a Orquestra Contemporânea de Olinda, uma das bandas pernambucanas que desde 2008 mais circula pelo país. Bastante elogiada pela crítica musical, a Orquestra já foi indicada a importantes prêmios, entre eles o Prêmio da Música Brasileira (2009) e ao Grammy Latino (2010), onde concorreu na categoria Melhor Álbum de Música Regional Brasileira.

Com 20 anos de carreira em palcos, Maciel Salú já participou de diversas coletâneas nacionais e internacionais e projetos de outros grupos e artistas. Apenas na sua trajetória com bandas e trabalho autoral, o músico acumula dez discos, dentre eles:

Maciel Salú (solo)
Baile de Rabeca | 2016
Box com os discos A pisada é assim, Na luz do carbureto e Mundo | 2015
Mundo | 2010
Na luz do carbureto | 2007
A pisada é assim | 2003

Orquestra Contemporânea de Olinda
Bomfim | 2015
Pra Ficar | 2012
Orquestra Contemporânea de Olinda | 2008

DJ Dolores & Orchestra Santa Massa
Contraditório | 2002

Chão e Chinelo
Loa do Boi Meia-Noite | 1999

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s